Foco no que interessa e é o que nos resta

Molecada faz a festa em São Januário: porque urubu a gente educa é desde cedo!
(Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

Dois a zero. Gols de Bruno Cosendey e do prodígio Paulinho, de apenas 16 anos de idade. A “flaguesia” começa na mais tenra idade e, mantendo esta velha e deliciosa tradição, o nosso time sub-20 bateu o do Flamengo por 2 a 0 na manhã deste domingo e conquistou a título da Taça Rio. O jogo foi no estádio de quem tem estádio e terminou com o mesmo campeão do primeiro turno, a Taça Guanabara – quando batemos o Fluzinho na decisão. Como as bizarrices dos regulamentos do Carioquinha não são exclusividade da categoria profissional, vamos agora para a semifinal do campeonato, contra o Botinha, enquanto os sem-teto enfrentarão o Madureira.

Mas que raios de crônica é esta é um site idealizado para os torcedores/colunistas resenharem sobre o desenrolar da Série A do Brasileirão 2017?! Eu explico…

Não quero mais vir a este espaço para ser repetitivo e protestar contra um treinador medroso, que recuou o time e praticamente obrigou o Coritiba a virar a partida de ontem – com o requinte de crueldade dos 2 gols terem sido marcados por um ex-atacante nosso e que foi suspenso por 15 jogos e só estava em campo graças ao tal do efeito suspensivo. Não quero ser obrigado a comemorar o primeiro pontinho fora de casa, que só foi somado porque achamos um gol no finalzinho. Não vou celebrar a nossa permanência na parte de cima da tabela porque isso seria pensar muito pequeno para um time da grandeza do Vasco. E não quero nem me lembrar que vamos para a próxima rodada sem poder contar com dois dos nossos melhores jogadores, os volantes Jean e Douglas, suspensos pelo terceiro amarelinho. Qual será a brilhante escalação que o nosso Professor Pardal vai inventar para encarar justamente o grande arquirrival?!

Muito mais agradável pensar nesta nova safra que está surgindo e que há de ser a protagonista de um futuro glorioso daqui a um tempo não muito longínquo. Isso vai acontecer em breve mesmo, quando um novo grupo assumirá o comando da Instituição e uma das primeiras medidas tomadas por ele será a proibição do uso de qualquer tipo de produto fumígeno – principalmente o charuto – na sala da presidência.

Pois que algum destes moleques vá para o jogo da 12ª rodada. O resto vai ficar por conta do grito da massa no nosso caldeirão e da imponência da nossa camisa, que sempre assusta quem veste vermelho e preto – por mais famosinho e bem pago que seja o boleiro em questão. O tão falado Guerrero, por exemplo, já nos enfrentou sete vezes com a camisa do Menguinho, ganhou apenas uma vez – por 1 a 0, na semifinal da Taça Guanabara 2017 – e não marcou sequer um mísero gol.

#SOLADADOBACALHAU: após defecar pela boca enquanto vestia a camisa do Inimigo, o lateral-esquerdo Ramon está de volta todo arrependidinho e se dizendo cheio de vontade de honrar o nosso manto sagrado; pois que ele “coma a grama” justamente contra aquele timeco na próxima rodada e prove que merece as nossas desculpas

 

 

 

em São Januário e garantiu o título da Taça Rio

Comente aqui...

comentário

Maria Marques

Apaixonada pelo Cruzeiro desde criança, quando assistia aos jogos sentada ao chão junto ao meu pai que me ensinou a vibrar, xingar, reclamar, desistir, retornar, defender e atacar. Pra mim "Existe um grande clube na cidade​/que mora dentro do meu coração​/eu vivo cheio de vaidade​/pois na realidade é um grande campeão​"!