Muita calma nesta hora

Bastou uma atuação de gala no último domingo, com os dois gols da vitória fora de casa contra o Atlético-MG – e a honra de entrar para a história como o primeiro jogador nascido após o final dos anos 1900 a balançar as redes no Brasileirão -, para Paulo Henrique Filho ser alçado à ídolo e grande esperança da torcida vascaína. Na mídia especializada e nas redes sociais pipocam comentários elogiosos e comparações provocativas com o badalado Vinicius Junior, também de 17 anos e já vendido ao Real Madrid pela bagatela de aproximadamente R$ 170 milhões.

Mais decisivo e efetivo até aqui que a revelação flamenguista, Paulinho tem a seu favor a certeza de que será muito mais utilizado neste campeonato do que seu companheiro de ataque na conquista do título sul-americano sub-17 pela Seleção Brasileira, no ano passado. Enquanto o rubro-negro precisa disputar espaço com vários nomes já consagrados contratados este ano por uma diretoria competente e que está reerguendo o clube, o cruzmaltino surge como um diamante que precisa ser utilizado ainda em sua forma bruta porque está em um grupo limitado tanto em quantidade quanto em qualidade.

E não adianta o “tiozão do charutão” convocar entrevista coletiva para dizer que a utilização dos atletas da base já agora, antes mesmo do final do primeiro turno do campeonato, era algo planejado pela diretoria e que já havia sido combinado com o treinador Milton Mendes. Qualquer pessoa que entenda o mínimo de futebol sabe que ninguém em sã consciência vai querer lançar como titulares de um time grande e tradicional várias jovens promessas. Ainda mais se for “em uma tacada só”, como está ocorrendo no Vasco.

A chance da aposta dar errado é enorme. E o que é pior: criar muita expectativa em cima de um jogador antes que ele tenha maturidade para encarar tamanha pressão aumenta em muito o risco de “queimar” o garoto e vê-lo como mais um a engrossar a estatística dos que não vingam.

No próprio elenco atual do Gigante da Colina existe um exemplo claro disso. Thalles – que já foi chamado de “Balothalles” e agora é mais conhecido pelos quilinhos a mais e pela fama de habitué nos bailes funks cariocas do que pelo bom futebol apresentado – começou a atrair os holofotes em 2014. Naquela época, a renovação de contrato do atacante incluiu uma multa rescisória que era maior do que a de Neymar.

Pois que Paulinho siga sendo apenas o Paulinho, por enquanto: um garoto que tem tudo para dar certo e que não pode ter sob seus ombros a responsabilidade de ser o grande nome de um time com camisa tão pesada como a do Vasco; o orgulho do barbeiro Paulo Henrique, que teve a graça de parar de torcer para um time de Série C depois que o filho caçula ingressou na escola que viu nascer Romário, Edmundo, Roberto Dinamite e tanta gente boa que fez história no futebol mundial.

#SOLADADOBACALHAU: leio na internet a informação de que o Parque do Sabiá surge como candidato a sediar partida(s) em que o Vasco precisa cumprir mando de campo; caso a CBF libere isso, com certeza marcarei presença e engrossarei o coro do #foraeurico que certamente também ecoará aqui na bela e acolhedora Berrrrrrrrrrlândia

Hermom Dourado

Hermom Dourado

Jornalista da Universidade Federal de Uberlândia, assessor de imprensa do Esporte Clube Rio Verde na memorável campanha do rebaixamento no Goianão 2013, e a prova viva de que o hino do Flamengo é uma farsa, pois nasceu urubu e tem plena convicção de que será Vasco - e não apenas até morrer, mas - por toda a eternidade!!!
Hermom Dourado

Últimos posts por Hermom Dourado (exibir todos)

Comente aqui...

comentário

Hermom Dourado

Jornalista da Universidade Federal de Uberlândia, assessor de imprensa do Esporte Clube Rio Verde na memorável campanha do rebaixamento no Goianão 2013, e a prova viva de que o hino do Flamengo é uma farsa, pois nasceu urubu e tem plena convicção de que será Vasco - e não apenas até morrer, mas - por toda a eternidade!!!